...devemos prosseguir em atividade, trabalhando com os meios ao nosso alcance pois há uma tarefa enorme a realizar, cujas perspectivas são ilimitadas, sobretudo nas latitudes tropicais onde tanto está ainda por investigar no domínio atmosférico.


JOSÉ BUENO CONTI
CIRCULAÇÃO SECUNDÁRIA E EFEITO OROGRÁFICO NA GÊNESE DAS CHUVAS NA REGIÃO LESNORDESTE PAULISTA (1973)

Le temps est une combinaison éphémere (um instant ou quelques jours, sulvant l´approximation), mais concréte...Le climat, au contraire, n´apparait qu´anprés l´´tude patiente ET methodique d´une longue período...


PIERRE PÉDELABORDE (1970)
INTRODUCTION A L´ÉTUDE SCIENTIFIQUE DU CLIMAT

Ao longo dos séculos, os observadores do céu, como agricultores, pastores e navegantes, acumularam conhecimentos práticos que permitiram compreender melhor as mudanças do tempo.


PROJETO BRASILEIRO PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA: O TEMPO E O CLIMA (1980)

A Climatologia (em geografia) deve procurar reconhecer e destacar estas relações complexas.


EMMANUEL DE MARTONNE
TRATADO DE GEOGRAFIA FÍSICA (1925)

....Podemos falar então em cadeias de tipos de tempo. O estudo delas levar-nos-á à compreensão do ritmo, que é a essência do clima.


ANTONIO CARLOS TAVARES
O CLIMA LOCAL DE CAMPINAS (1974)

...podemos extrair vários pontos de relevância na abordagem geográfica do clima.


CARLOS AUGUSTO DE FIGUEIREDO MONTEIRO
O ESTUDO GEOGRÁFICO DO CLIMA (1999)

...olha vai chover, depois vai fazer frio, os paturis estão passando. Não esquece de levar blusa!


DONA HELENA
CONHECIMENTO POPULAR...CARINHO DE MÃE

Os ventos começavam a soprar mais espertos e como agitavam as almas das coisas, arrancando do torpor para a vida.


GRAÇA ARANHA
TRECHO DO ROMANCE CANAÃ

Quando o juazeiro flora, em novembro, é sinal de inverno tardio.


JOSÉ ERASMO BARREIRA
SERTANEJO DE 67 ANOS DE QUIXADÁ
PROFETA DO CLIMA

...o ambiente atmosférico é corresponsável na diversificação espacial do complexo geográfico..


WALTER CECILIO BRINO
CONTRIBUIÇÕES À DEFINIÇÃO CLIMÁTICA DA BACIA DO RIO CORUMBATAÍ...(1973)

Nota de falecimento: Profa. Dra. Maria da Graça (UFSM)

Com pesar a Diretoria da ABClima comunica o falecimento da professora Maria da Graça Barros Sartori. Graduada em Geografia Licenciatura pela Universidade Federal de Santa Maria no ano de 1972, tornou-se Mestre em Geografia Física pela USP em 1976 e Doutora em 2000.

Docente da Universidade Federal de Santa Maria por muitos anos aposentou-se como Professora Titular, mas nunca deixou de atuar, de pesquisar e contribuir com a Climatologia brasileira. Nos Cursos de Geografia, Licenciatura e Bacharealdo, e no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFSM ao longo de sua vida formou mais de uma dezena de alunos e alunas, sob sua orientação muitos foram aqueles que se apaixonaram pela Climatologia, optaram por pesquisar em Climatologia. Orientandos seus hoje estão trabalhando com Climatologia no Brasil e dando continuidade ao seu trabalho, sinal de frutos que germinaram.

A pesquisadora Maria da Graça tinha como ideal pesquisar o Clima do Rio Grande do Sul, envolvendo ambientes rurais e urbanos. Aguerrida e esperançosa deixa inacabado o projeto "A dinâmica climática no espaço geográfico sul-riograndense e as relações clima-saúde, clima-produção agrícola e clima-cidade"

Pró-ativa participou da fundação da ABClima, como sócia-fundadora era integrante do Conselho Editorial da Revista Brasileira de Climatologia. Assim a Diretoria da ABCLIMA (Gestão 2012-2014) deseja nesse momento manifestar condolências à família.

A imagem que fica para aqueles que a conheceram é de uma imagem de uma mulher íntegra, forte, corajosa, elegante, além de excelente professora e pesquisadora.

A Diretoria da ABCLIMA

© 2019 - ABClima - Todos os direitos reservados.
Idealização e desenvolvimento: Charlei A. da Silva (2013/2014)
Programação: Excla!m